domingo, 28 de junho de 2009

Reboliço



Talvez seja fruto da idade, talvez sejam apenas devaneios de quem "pensa demais", mas sinto-me no meio de um reboliço.

Tudo à minha volta é constante movimento, luz, cor, som. Tudo tem vida (ou terá?). Ninguém pára. Ninguém respira mais do que o ar de que necessita no seu reboliço diário. Ninguém escuta, ninguém vê.

Parece-me que apenas eu consigo ver o que me rodeia. Apenas eu consigo absorver cada gota da chuva que cai, cada gargalhada solta num momento de liberdade.

Porque me sinto presa, então?

Sim...Sinto-me presa no meio deste reboliço. Os meus passos são lentos, desconectados do mundo à minha volta. Não me consigo fazer ouvir, nem sei se me quero fazer ouvir...

Sinto-me tonta nos vários sentidos da palavra. Tonta pelo que se move frenéticamente à minha volta. Tonta por não conseguir incluir-me nesse mundo. Tonta.

No final (que nada tem de definitivo), sinto-me confusa. Compreendo o que me rodeia, conheço esse mundo melhor do que os que nele se passeios sem parar. Quero(?) nele entrar e não consigo. Porquê? O que(m) me impede?

Revolto-me. Vou entrar nesse mundo...

"Não é fácil saber se esta revolução está em curso ou se apenas corresponde a uma prevista e desejável mudança." - diz o meu outro "Eu".

Ainda assim, para já, estou aqui, no meio do reboliço, presa.


JuBuh*

PS- Pensamentos perdidos no meio do nada resultam nisto... ^^

5 comentários:

S . disse...

Benditos pensamentos! As palavras que vêm directinhas do coração são sempre as mais bonitas e, consequentemente, sinceras.

Oh Buh, tu parece que estás metida num carrossel (numa Chávena, talvez?), daqueles que andam tão, mas tão depressa que nem conseguimos ver os traços; só sombras e vultos coloridos de sons e imagens...
talvez seja só essa previsão de mudança... "só" como quem diz...

a propósito, quero saber de tiiiiii!!!

Beijo obeso-mórbido <3

Buh disse...

Bem pensado... A Chávena é uma imagem mesmo à letra...

e eu de tiiii!!!

saudades mórbidas, essas sim xD

os Beijos podem ser obesos e assim ^^

b.vilão disse...

E resultam muito bem. É o Síndrome de Cesariny: "Contemplo o lago mudo que uma brisa sacode. Não sei se fodo tudo ou se tudo me fode".

Otário disse...

é interessante acompanhar a imagem de rosto com o título do blog. total empatia.

Rapariga dos caminhos abstractos disse...

Texto bem bonito (:

Enviar um comentário